Jogos eletrônicos independentes: você já teve e ainda vai ter um

logo do Humble bundle 7

Eu confesso que sempre fui muito fã de videogame e jogos eletrônicos em geral. Até por isso me identifiquei bastante com a coluna escrita pelo Digão intitulada “A Vida de um Gamer“. Eu também era uma criança ativa normalmente, mas eu joguei MUITO videogame. Não só consoles eletrônicos, mas também jogos de computador, fliperama, enfim, tudo o que se relacionava à diversão eletrônica.

Ainda me lembro do primeiro jogo que tive em minhas mãos: um telejogo com os clássicos futebol, tênis e paredão.

Imagem do Telejogo

Para os mais novos deve ser difícil imaginar como nos divertíamos com algo tão precário, mas tente imaginar os clássicos jogos de celular que são ótimos para passar o tempo: Tetris e Snake. O que fazíamos naquela época é muito parecido com o que vocẽ faz hoje com seu celular: pegávamos o jogo para passar o tempo quando não havia nada mais legal para fazer.

O Mercado foi evoluindo, os jogos ficaram mais complexos e hoje a indústria de jogos eletrônicos representa o maior ramo do entretenimento. Surgiram jogos como Uncharted, que transformaram a experiência de jogar um jogo de videogame em algo completamente cinematográfico.

foto do jogo Uncharted

 

Sempre que pensamos em jogos eletrônicos imaginamos algo tão grandioso quanto os jogos maiores, mas na essência jogar videogame sempre foi muito mais que isso. Uncharted só existe porque em algum momento alguém inventou a câmera em terceira pessoa, mirar segurando o botão de cima do controle e atirar com o outro botão de cima. Para mim, que comecei a jogar antes dos conhecidos jogos de tiro, essa mecânica ainda é complicada.

Aí é que entra o ponto a ser abordado por aqui: para fazer um jogo do tamanho de Uncharted, é necessária uma equipe de produção algumas vezes maior do que um filme de Hollywood. O jogo possui atores reais, equipe de maquiagem, enfim, tudo o que um filme tem, acrescentando-se ao time algumas centenas de programadores e/ou funcionários da área técnica. Um jogo como esse custa algumas centenas de milhões de dólares para ser feito, e precisa ser bancado por alguém que tenha muito dinheiro. Você já se perguntou se todos os jogos são assim?

Veja a história do Tetris, um dos jogos mais populares de todos os tempos. Eram três amigos de faculdade que tiveram uma boa ideia, transformando-a em mais de 125 milhões de cópias vendidas para mais de 30 plataformas. Veja bem: apenas 3 pessoas fizeram todo o jogo. Impossível se compararmos com Uncharted em termos de custo de produção. A diferença é que Tetris, assim como outros jogos, começou como um jogo Indie.

O termo “Indie” é uma espécie de gíria para o termo em inglês independent. Como disse, um jogo hoje para ser lançado pode custar algumas centenas de milhões de dólares, e nem todos os desenvolvedores de jogos podem bancar projetos tão grandes. Vamos supor que você tivesse agora US$ 500 milhões: arriscaria todo o seu dinheiro em um jogo de videogame? E se as pessoas não gostassem e o jogo não vendesse? Como seu custo é muito alto, eles não podem errar para não correr o risco de ter um prejuízo gigantesco. Assim, é mais fácil apelar para personagens e fórmulas já conhecidos (daí vem o termo franquia, que é um jogo com muitas continuações), porque na pior das hipóteses os fãs vão comprar. Fica muito mais difícil arriscar coisas diferentes com um orçamento tão grande.

Aí surge algo como Minecraft e Angry Birds, que qualquer um com o mínimo de experiência em programação para jogos poderia ter feito, fatura mais do que muitos jogos grandes e prova que podem existir exemplos de sucesso utilizando pequenas equipes de produção, mas com boas ideias. O fato é que os jogos independentes estão por todo o lado, e com a distribuição digital se tornaram muito mais acessíveis. Qualquer um pode desenvolver um jogo, colocar um site no ar para vendê-lo por download e fazer um grande sucesso.

Logo do Steam

Contudo, mesmo com boas ideias, nem sempre é fácil desenvolver um jogo. Mesmo que o jogo esteja tecnicamente pronto, a oferta é tão grande que fica difícil para um jogador comum sequer tomar conhecimento que seu jogo existe. Grande parte do orçamento de jogos muito grandes é direcionado ao marketing. Como fazer então para garantir que o desenvolvimento continue e levar seus jogos até o grande público?

Esse é um dos objetivos de um projeto conhecido com Humble Bundle. A ideia é muito simples, e talvez faça mais sentido para quem já conhece o Software Livre: você recebe, de saída, o direito a obter um pacote de jogos por qualquer quantia. Sim, QUALQUER quantia. Pode-se comprar o pacote de jogos por US$ 0,10, por exemplo. Você decide quanto vai pagar, e ainda mais importante, decide quem vai ficar com seu dinheiro. O Humble Bundle sempre te dá a opção de doar parte do dinheiro para a caridade (lá funciona, não é como o Criança Esperança da Globo) ou de dar tudo para quem desenvolveu, como uma gratidão pelas horas de diversão que aquele jogo vai te proporcionar. Ainda mais importante: sem DRM (assunto para outro dia por aqui) e multi-plataforma. Funciona em Windows, Mac ou GNU/Linux.

O mais interessante quando observamos os jogos indie é que você provavelmente já jogou um e nem sabe. Ainda mais importante: existem “pedaços” de jogos indie em praticamente todos os jogos eletrônicos feitos até hoje. Como os jogos muito grandes não podem correr o risco de falhar, eles acabam arriscando menos. É nos jogos independentes que aparece espaço para tentar coisas diferentes, que uma vez testadas acabam sendo inseridas em outros jogos. Se um dia você atirar e correr em um jogo, por exemplo, saiba que isso só existe porque um indie fez assim primeiro.

Se você se interessa por jogos eletrônicos e, como eu, espera que eles continuem evoluindo, compre o seu Humble Bundle aqui. Os jogos do pacote número 7 são ótimos, e você ainda está contribuindo para que eles continuem sendo produzidos. Se quando você estiver lendo esse post não o Bundle não estiver mais disponível, cadastre-se para receber as informações do próximo por e-mail. Aí vocẽ fica sabendo quando tiver outro disponível e pode ajudar os desenvolvedores.

Para finalizar, deixo aqui esse excelente documentário sobre a Indústria dos Videogames. Que tal um pequeno desafio? Você consegue identificar todos os jogos indie que aparecem no documentário?

[youtube http://www.youtube.com/watch?v=ZgogqzK9iXg]

 

Siga o portal dos Calangos nas redes sociais



3 Responses to Jogos eletrônicos independentes: você já teve e ainda vai ter um