GDF conivente com sonegação fiscal no Mané Garrincha

Aderson Ribeiro da Silva curti este post

Fui a vários jogos no Mané Garrincha depois da sua reinauguração. A entrada sempre foi tranquila, não existe ninguém orientando os acessos, exceto jogos da Seleção Brasileira, e o que eu consumi nos jogos, no bar, mesmo comprando no intervalo (que é o momento mais cheio), não demora muito. Eles só aceitam dinheiro. Nada de cartão. E só. Se você quiser comprovar que comeu um cachorro quente com um refrigerante, só se tirar foto. E a foto tem que ser bem tirada, para mostrar o cachorro quente e o Mané (estádio). Eles não emitem nota/cupom fiscal. É o Governo do Distrito Federal deixando de saber quanto se fatura realmente… Ali, bem debaixo do nariz deles.

Sim, depois de vários jogos no Mané eu fui refletir sobre isso e me motivou esse relato. Eu levantei a questão, inclusive enviando mensagem para o perfil oficial do Governo do Distrito Federal (@Gov_DF) no Twitter. E adivinha? Estão se fingindo de cegos ou de analfabetos.

 

 

O Governo do Distrito Federal está sendo conivente nessa coisa de não registrar o que se vende. Quando não se registra o que vende, quando não há emissão de notas/cupons fiscais sobre um determinado serviço/venda de produto, o Governo não tem como saber o que foi arrecadado ali. São bares que vendem mercadorias, recebem dinheiro e, simplesmente, não há comprovação. O pagamento de imposto pode ser hipotético.

Siga o portal dos Calangos nas redes sociais



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para a barra de ferramentas